* A Mula Sem Cabeça...



A mula-sem-cabeça


Uma história velada
Na cidade era narrada
De uma mula encantada
Que pela praça rondava

Uma mulher se apaixonou
Pelo padre que rezava
Em mula-sem-cabeça transformou
E foi amaldiçoada

Formaram-se grandes confusões
Em torno da mula malvada
Homens ficavam bobões
Mulheres não diziam nada

À meia-noite aparecia
Para a cidade atormentar
Fazia o que queria
Com seu cabresto singular

A mula desembestada
Firme e sem coração
Destruia o que encontrava
De nada abria mão

Sua fúria era tal
Que cambaleou e caiu
O que trazia de mal
Ali se destruiu

A notícia logo correu
Pelos lábios de sábio e tabaréu
A mula se desvaneceu!
Apagou seu fogaréu!!!!

( do baú de minha vó)
Tunin.


Chega a amiga DALINHA e interage...Obrigado,beijos!

De mula-sem-cabeça

medo não tenho não.
Mas pra não correr riscos,
só namorei sacristão.
pois sair desembestada
Sem cabeça pelas estradas
Só sendo assombração.


Dalinha

12 comentários:

  1. querida tudo que é bom acaba,mas é assim para podermos dar valor as coisas..eu também fiquei triste,pois estava aqui aproveitando estes mares que rodeiam voces..Mas que bom que foram dias felizes..A poesia da mula sem cabeça..ehehe é mesmo da época das nossas vovós..Sucesso querida.
    Bjuss\Flor*Um Lindo Dia**

    ResponderExcluir
  2. Olá Chica.

    Desde que vi uma mula sem cabeça
    e um burro a andar de mota
    tu o que veja ou me apareça
    já nada mesmo nada me espanta

    A mula da corporativa
    deu três coiços no telhado
    por causa não da adega
    não saber cantar o fado

    um beijinho,
    José

    ResponderExcluir
  3. Muito interessante esta transmissão de estórias de outros tempos, através da poesia.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  4. As coisas boas da vida acabam como tudo na vida.
    Adorei!!!
    Beijos e boa semana.

    Lucimar

    ResponderExcluir
  5. Oie saudades.Passei pra dizer que voltei e que postei novidades confere fotos e pot do Poesia do bem, bjs

    ResponderExcluir
  6. Ai que delícia férias... eu estou vendendo meu apto e correndo atrás de outro, marido viajando pra variar e eu aqui as voltas com corretor, advogado , sogra, festa de bodas dos meus pais e etc... por isso a ausência...
    beijo carinhoso.

    ResponderExcluir
  7. Chica,mas que bela poesia do Tunin!Confesso que ando sem tempo pra ler todos os teus blogs,mas esse eu adoro,não abro mão!Amei a mula sem cabeça!Bjs,

    ResponderExcluir
  8. CHICA

    Gostei de te ver na minha
    lareira ... vem no tempo certo pois o frio está muito mau...Veio ...
    gostou e não quer ir embora..



    Um beijo

    ResponderExcluir
  9. Olá Chica, saudades!

    De mula-sem-cabeça
    medo não tenho não.
    Mas pra não correr riscos,
    só namorei sacristão.
    pois sair desembestada
    Sem cabeça pelas estradas
    Só sendo assombração.

    Um abraço,
    Dalinha

    ResponderExcluir
  10. Não te conhecia este lado poético tão querido, Chica. Vale a pena visitar este blogue. Está lindo.

    ResponderExcluir
  11. Faz tempo que não vejo algo relacionado ao mitos brasileiros...

    Senão me engano, em vez do dias da bruxas, foi comemorado o dia do Saci.

    Fique com Deus, menina Chica.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  12. ola, amiga, finalmente esou aqui outra vez.Meu computer estava muito mal, pior que eu:))
    gostei!!!!!me lembra minha infancia... e obrigada pelas tuas palavras
    beijos

    ResponderExcluir

♥ ♥ ♥ Fico feliz de te ver aqui, falando comigo!beijos,chica ♥ ♥ ♥