* A Burguesa...

Era uma vez uma linda pombinha conhecida como Burguesa.


Ela andava saltitante pelas campinas à procura de sementes e minúsculos insetos para alimentar-se.

Quando queria deliciar-se com frutas, alçava seus voos pelos pomares das redondezas ou adentrava as matas à procura de frutas silvestres.

A Burguesinha, apesar de toda liberdade, de farta comida, de beber água em córregos e fontes e até sugar água cheirosa captada pelas flores, cansou-se daquela vidinha rotineira.

- Ora, veja só! Eu não sou uma pomba qualquer, afinal das contas, sou uma linda burguesa e não mereço levar a mesma vida que levam as pombas comuns. Eu quero muito mais!

Não demorou muito tempo e ela se transformou num pássaro de gaiola, como era o seu desejo.



Em sua gaiola de ouro, ela desfrutava do bom e do melhor.

Numa vasilha muito limpa, uns grãozinhos de ração, do outro lado, frutas estrategicamente colocadas, e num recipiente de vidro, água limpa. Cheia de mordomias. Até um balanço, dentro da nova casa, ela ganhara!

Enquanto tudo era novidade, ela se divertia. Pela manhã, sua gaiola era colocada na varanda para que pudesse tomar sol. E assim, ela ficava sempre assistindo à alegria dos outros pássaros, que livres e soltos, faziam suas algazarras.

E foi assim também que ela percebeu que toda mordomia que desfrutava era insignificante diante da liberdade perdida. E passou a ficar triste e sentir uma imensa saudade da vidinha simples que levava antigamente.

Muitas vezes, é preferível viver a simplicidade e a liberdade do próprio habitat do que experimentar uma vida burguesa, onde a prisão é o princípio do fim.

Dalinha Catunda

11 comentários:

  1. Realmente tenho de concordar, não há nada melhor que a liberdade, mesmo uma gaiola dourada...

    Fique com Deus, menina Chica.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Olá Chica,

    Que belo conto infantil, linda mensagem!
    Muitas vezes só damos valor as coisas depois que as perdemos.
    Beijos e até mais...

    ResponderExcluir
  3. Chica, linda mensagem que retratas as facilidades deste mundo.
    Ontem as pessoas trabalhavam mais, pelas dificuldades existentes, embora fosse apenas dificuldades, sem os exageros de hoje. Atualmente elas vivem depressivas pelas máquinas construidas, tudo a fazer por elas e elas diminuidas nas suas produções. O Resultado estão nas farmácias onde buscam tranquilizantes para as amarras constantes do eu, acumulativos de problemas relativos a suas autoestima e razões várias.

    parabéns!

    Bjs

    Livinha

    ResponderExcluir
  4. Chica, tô há tão pouc otempo nesse universo tão rico, aqui entre os blogueiros. São muitas coisas bonitas pra apreciar, só hoje vi seu blog (este aqui, que é um deles), com calma e atenção.
    Tenho dois pequenos que tb amaram!
    Queria deixar um beijo

    Que blog lindo!
    Michelle

    ResponderExcluir
  5. Aplausos para a Dalinha. Essa metáfora me fez lembrar a Bicharia do Chico Buarque: " nós gatos já nascemos pobres, porém , já nascemos livres." Muito bom! Abraços. paz e bem.

    ResponderExcluir
  6. porisso que temos que cuidar das arvores para que os animais ainda possam achar comida na floresta bjs neno

    ResponderExcluir
  7. ahahahah ri sozinha aqui no trabalho do seu comentário!! "minhas curves'...muto boba!! vou postar fotos, quem sabe tu se anima?!
    Bjão!!!!

    ResponderExcluir
  8. QUERIDA, APAREÇA EM MEU BLOG, VC TB ESTÁ NO POST DE BLOGUEIROS AMIGOS!
    BJSSSSSSSSS
    GENA MARIA

    ResponderExcluir
  9. Ui... É melhor eu viver na minha gaiola, rsss...
    Um lindo post, parabéns, beijos...

    ResponderExcluir
  10. Quantos de nós, esquecemos que a liberdade é o maior prêmio que podemos ter!

    Amei!

    bj

    ResponderExcluir
  11. Chica,
    Amo escrever para o sementinha.
    Adoro ler os comentários também.
    Obrigada por postar meus escritos.
    Bjs
    Dalinha

    ResponderExcluir

♥ ♥ ♥ Fico feliz de te ver aqui, falando comigo!beijos,chica ♥ ♥ ♥