* AO PÉ DA SERRA



AO PÉ DA SERRA

Tunin

Ao pé da serra havia,
No encontro de dois rios,
Uma casinha de sapé que acolhia,
Uma velha feliz em seus brios.

Acordava de manhazinha,
Para dos afazeres cuidar,
Preparar a comidinha,
E vê o tempo passar.

Vivia a felizarda,
Naquele belo recanto.
Com ela a passarada,
Alegrava-a com o seu canto.

A rola fogo apagou,
Cantava na cumeeira.
Ela nunca a desprezou,
Era sua companheira.

Botava fogo no fogão.
Botava lenha na fogueira.
Colhia jaca e mamão,
Levava para a brincadeira.

Aos domingos, era visitada,
Pela fogosa gurizada,
Que arrancava da inusitada,
Belas, lindas gargalhadas.

Gostava de adivinhação fazer,
Para a molecada animar.
No meio da roda do lazer,
Franco era seu tagarelar.

A criançada estimulada,
Em torno dela ficava.
A velha bem entusiasmada,
Histórias mil, contava.

Um dia ela fugiu,
Pelas asas de um condor.
Disse a deus, para o céu partiu.
A meninada, triste, triste, chorou!

Histórias contadas, a mim,
Para ninar e dormir.
Eram dramatizadas, sim,
Para a cama me conduzir.

Testemunha ocular, não fui.
Da legendária boa velhinha,
Mas a história aqui flui,
Para as páginas do SEMENTINHAS.


Chegou Livinha:

Com certeza esta senhora
era de sobrenome candura
viajando para outra morada
a outras crianças a ternura.

17 comentários:

  1. Nossa Chica ,
    Esta senhora deveria ser mesmo um anjinho.
    E você amiga, abençoada seja sempre, porque este teu coração é muito bonito, há amor por todos os lados dos teus cantinhos (blogs). Encanta os olhos, o coração.
    Venho antes de sair para a escola não tem jeito, preciso vir há amor demais aqui, venho sorver.
    Beijinho querida.
    Lindo dia procê.

    Fernanda.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado,Tunin por fazer essa história especialmente para o sementinhas.

    Fico feliz!abraços,chica

    ResponderExcluir
  3. Que poesia mais linda!
    Asas de uma bela imaginação.
    ADOREI!

    Um beijo carinhoso

    ResponderExcluir
  4. Chica, eu é que agradeço pelo espaço que me concede.Abração, querida!

    ResponderExcluir
  5. ...um lugar de mato verde...para plantar e para colher...
    Uma casinha branca ou uma casinha na roça.
    Linda poesia.
    Bom dia Chica.

    ResponderExcluir
  6. Felicidade não é ter muito, mas sim feliz o que tem, mesmo que pouco...

    Mas pena que o costume de contadores de história tenha ficado esquecido...

    Fique com Deus, menina chica.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. Ola Chica: Linda história da velha senhora, sempre postas lindos versos deves ter um coração doces e cheio de magia e sebadoria para escreveres estes lindos versos ou poemas como queiras.
    Beijinhos
    Santa Cruz

    ResponderExcluir
  8. Que lindo poema, Chica!
    Beijos na alma e muita paz!

    ResponderExcluir
  9. Com certeza esta senhora
    era de sobrenome candura
    viajando para outra morada
    a outras crianças a ternura.

    Lindo Chica, sempre com histórinhas
    faceiras de fantástica fantasia...

    Bjs

    Livinha

    ResponderExcluir
  10. Que belezura! Adorei a lenda! Abração. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  11. Que bacana..
    Desculpe a sumida que dei nos blogs..
    mas é que animação toma muito tempo da gente...

    Obrigado pelo carinho sempre..
    bjs

    ResponderExcluir
  12. Chica, obrigado sempre pelo teu carinho.

    Bjs

    ResponderExcluir
  13. Olá Chica,

    Que bela poesia feita especilamente para o sementinhas... LINDA!

    Beijos...

    ResponderExcluir
  14. Corri junto com a história..muito boa mesmo, meus parabens! Abrçs

    ResponderExcluir
  15. Que bela homenagem ao "Sementinhas", Chica!
    Beijinhos!

    ResponderExcluir

♥ ♥ ♥ Fico feliz de te ver aqui, falando comigo!beijos,chica ♥ ♥ ♥