♥ Sá Uva, a Formiga Que se Sentia Uma Uva! ♥



Sá Uva, a Formiga Que se Sentia Uma Uva!

Tereza Tavares

Em um formigueiro enorme, viviam várias
espécies de formigas, por sinal, harmoniosamente.
Independente de seus portes davam duro para que
nada faltasse em casa na hora que os alimentos
ficassem escassos. Acordavam cedo com seus
filhotes, afiavam seus ferrões e iam à luta!

Por lá, vivia Sá Uva, uma formiga de traseiro
avantajado que se sentia uma verdadeira uva! A
formiga era prepotente, carrancuda, audaciosa; se
via como a rainha daquele pedaço! Com isso não
ligava para as outras; além do mais, não corria atrás
do seu próprio sustento.

Sá Uva só pensava em se aprontar, era muito
vaidosa. Assim que amanhecia, corria para o
espelho para admirar sua beleza, enquanto as
outras preparavam para um longo dia de batalha.
Colocava flores coloridas na cabeça, brincos, colar,
e para o espanto das outras, coloria suas garrinhas
e boca, na verdade, saía do esquema das outras.

Quando a tarde caía, lá estava ela,
cantarolando e sentindo uma verdadeira rainha. As
outras cochichavam entre si e davam boas risadas!
Mas, Sá Uva, não ligava, dizia ser invejada por elas.
O pior é que a formiga com sua mania de grandeza

esperava as outras saírem para roubar os alimentos.
Adorava picotar aquelas folhas mais apetitosas e
crocantes.

Certo dia, ao perceberem tanto desfalque na
dispensa, as formigas tomaram uma atitude drástica!
Montaram várias armadilhas e saíram para buscar
seus alimentos de cada dia! Sá Uva não desconfiou
de nada, ficava ansiosa para ficar só, e, fazer um
limpa!

Foi então que um dia se deu mal! Ao adentrar-
se no formigueiro das pequenas trabalhadoras,
lançou seu ferrão nas folhas mais apetitosas. Sá
Uva foi presa na armadilha sem ação. Gritou tanto
que as outras ouviram de uma longa distância.
Olharam-se entre elas e deram risadas.

À tarde, quando voltaram, lá estava: Sá Uva
ficou com a boca presa e pedia clemência para ser
solta. Juntaram todas e a soltaram, sua boca
vermelha, e linda ficou maior que seu corpo. Daí em
diante, prometeu aceitar sua sina de formiga,
percebeu o tamanho de sua arrogância e preguiça.
Sá Uva decidiu ir à luta pela sobrevivência
como todas. Sentiu que seu excesso de vaidade não
levaria a lugar nenhum!

Nunca deixou de pintar a boca e as garras.
Ganhou apoio e amizade sincera. Hoje, no enorme
formigueiro, todas trabalham igualmente. Sá Uva,
ainda faz o seu tempo para cuidar de sua beleza,
mas, com moderação é claro!

Chegou Edumanes

Uma enorme formiga
Que se sentia uma uva
Na sua derradeira fadiga
Continuando sua luta!

Para alimento em casa não faltar
Num vai e vem ela sempre andava
Para comer no inverno, no verão armazenar
Formiga trabalhadeira nunca parava!

De traseira avantajado
Tinha força de caramba
No carreiro apropriado
Sempre limpa não tinha rama!

Buraco também não tinha
Sempre muito bem arranjado
Tinha uma amiga sua vizinha
Que lhe roubou o amorado?

Pelo carreiro ia carregada
De sementes e grãos de trigo
Caiu numa emboscada
De um formigão inimigo!

A formiga dele se defendeu
Suas garras lhe ferrou
O formigão do caminho desapareceu
A formiga seu destino continuou!




10 comentários:

  1. Ao ler o texto fiquei imaginando minha sobrinha de três aninhos contemplando um trilho de formigas, acho que já reconhece a Divindade na natureza! abraços

    ResponderExcluir
  2. Oi Flor do Campo

    Ela aprendeu a lição
    Amei a História

    Um Beijo Bem grande e um abraço esmagador rsrsrsrs

    ResponderExcluir
  3. Uma enorme formiga
    Que se sentia uma uva
    Na sua derradeira fadiga
    Continuando sua luta!

    Para alimento em casa não faltar
    Num vai e vem ela sempre andava
    Para comer no inverno, no verão armazenar
    Formiga trabalhadeira nunca parava!

    De traseira avantajado
    Tinha força de caramba
    No carreiro apropriado
    Sempre limpa não tinha rama!

    Buraco também não tinha
    Sempre muito bem arranjado
    Tinha uma amiga sua vizinha
    Que lhe roubou o amorado?

    Pelo carreiro ia carregada
    De sementes e grãos de trigo
    Caiu numa emboscada
    De um formigão inimigo!

    A formiga dele se defendeu
    Suas garras lhe ferrou
    O formigão do caminho desapareceu
    A formiga seu destino continuou!

    Bom quarta-feira para você,
    amiga Chica,
    um abraço
    Eduardo.





    ResponderExcluir
  4. KKK...Que legal essa poesia da Teresa!Ficou divertida essa formiga e com ótimo ensinamento no final!bjs,

    ResponderExcluir
  5. Bela poesia, muito bem criada. No final, um belo ensinamento!

    Beijinhos&Brigadeiros,
    LihSantos

    ResponderExcluir
  6. Dizem que, se não aprendermos pelo amor, aprenderemos pela dor. A escolha é nossa...

    Lindo texto, Chica.

    ResponderExcluir
  7. Chica! Só de vaidades não dá para viver! Espertas formigas! Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Vim correndo deixar um Super Beijo no seu Coração e dizer que te gosto DEMAIS!

    Andrea

    ResponderExcluir
  9. Que legal a formiga de sentir uma Uva
    ótimo
    Bjuss minha linda
    Rita!!!!

    ResponderExcluir
  10. Nunca é tarde para aprender, que bom que Sá Uva aprendeu, depois de uma liçãozinha se não aprender é porque não tem jeito mesmo.
    Bjux

    ResponderExcluir

♥ ♥ ♥ Fico feliz de te ver aqui, falando comigo!beijos,chica ♥ ♥ ♥