♥ Vento que tudo leva.♥

 


Vento que tudo leva.


Naquele mês de junho em pleno inverno com seus ventos frios e constantes, Marina estava de férias com sua vó e apaixonara por uma bela e exótica flor que parecia uma bonequinha de cabelos brancos e assim todos os dias, ela visitava a florzinha e tocava de leve seus cabelos como se a fizesse ninar, como sua vó fazia todas as noites com ela.


Porém naquela manhã um vento assanhado e malcriado passou pelo jardim, as flores minúsculas se quebraram diante os olhos assustados da menina, que em prantos entrou pela casa desesperada e maldizendo o vento, que tudo levava até os passarinhos se esconderam naquele dia.


Tão logo a vó ouviu, correu ao encontro e a abraçando, quis saber o que se passava. Entre soluços Marina balbuciava pragas contra o vento com reprovações da avó, dizendo que eram coisas de Deus e saiu com ela, para mostrar o moinho, que girava pela força do vento e produzia a energia para a casinha. O vento não era assim tão ruim dizia ela.


Mas a menina soluçando, mostrou para a vó uma pequena flor branca, maltratada pelo vento e dizia à sua vó, que ela era sua filha em forma de uma boneca de cabelos brancos lisos. Só então que a vó entendeu o desespero da netinha e a levou para ver que outras flores como aquela, no outro lado da casa e que lá estavam perfeitas e protegidas contra os ventos e que ela poderia adotar outra flor e dedicar seus carinhos.


Marina curiosa sorriu para vó e logo foi se encontrar com uma das flores, que estava mais baixa e deu um beijo nela e começou a cantar a mesma canção, que ela cantava todas as noites para ela dormir. A vó movida de emoção ouvia e deixou cair uma lágrima. Sorrindo se dirigiu para a cozinha, muito encantada com a meiguice da netinha e tratou logo de terminar um bolo de cenouras para agradar a netinha.


Toninho.
Junho/2015

9 comentários:

  1. O vento que tudo leva,
    tudo o vento não leva não
    não levou a saudade que eu quisera
    manter guardada no meu coração.

    O vento que tudo leva,
    quando furioso sopra
    leva o que eu não quisera
    deixa o que me incomoda.

    O vento que tudo leva,
    quando zangado, destruidor
    deixa árvores caídas na terra
    leva com ele o perfume da flor.

    O vento que tudo leva,
    quando provoca a tempestade
    volta mansinho na primavera
    trazendo-nos a felicidade?

    Bela poema do Toninho, parabéns a ele à Chica, por aqui o ter postado.
    desejo-vos um bom dia, abraços,
    Eduardo.

    ResponderExcluir
  2. Que história mais fofa Chica,vou contá-la ao meu neto.
    Linda.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  3. E o vento levou uma florzinha, mas não leva os sonhos de criança. Linda e doce poesia! Beijo! Renata e Laura

    ResponderExcluir
  4. Olá Chica, hoje estou no Painel e vi esta história maravilhosa!
    Já fui dar os meus Parabéns ao Toninho!
    Ele é muito criativo e dono de uma sensibilidade que enternece.
    Adorei!
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderExcluir
  5. Que honra Chica estar por aqui.
    Muito agradecido a você a todos pelo carinho.
    Uma linda noite a todos.
    Meu terno abraço.

    ResponderExcluir
  6. Chica, quanta ternura nessa historinha! Fiquei encantada!
    Beijos
    Amara

    ResponderExcluir
  7. Do nosso Toninho, amigo, só podia ter saído mais essa pérola! Gostei muito! Abração!

    ResponderExcluir
  8. Adoro histórias para crianças e aqui encontro muito boas.
    As crianças merecem tudo.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  9. Esse Toninho veio arrasando com essa maravilhosa inspiração, linda historinha, a Marina mereceu toda essa ternura e mais bolinho de cenoura.
    Parabéns Toninho e Chica, vcs arrasam!

    Bjs!

    ResponderExcluir

♥ ♥ ♥ Fico feliz de te ver aqui, falando comigo!beijos,chica ♥ ♥ ♥